MÃE I(poesia)

MINHA MÃE FIEL  – Aurecino Coelho da Silva

Ah! Se mamãe ainda vivesse.

Como me acariciava!

Mesmo tão desobediente,

quanto me amava.

Ao simples desconforto

Suas mãos meigas ma afagavam

Cantava canções de ninar,

tudo para me acalentar!

Há dez anos nos deixou.

 Mergulhei em terrível orfandade.

Jamais encontrei outra igual,

nova ou mesmo de avançada idade.

Mamãe é um altíssimo memorial.

Sua história, rica antologia.

Sua cultura, grande enciclopédia.

Sua vida, linda melodia.

Há dez anos, quando morreu,

 sua alma foi para o Céu.

Louvo a Deus, enquanto viver

Porque minha mãe foi fiel.

O Jornal Batista. 14/5/06, p. 10.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: