A SALVAÇÃO DO CRENTE É ETERNA(direto ao ponto)

1. INTRODUÇÃO

Tenho ficado preocupado a respeito deste assunto. Ouvi membros de igrejas batistas declararem enfaticamente que a pessoa que aceita Jesus como seu Salvador, não tem a salvação garantida por Ele, mas que depende do que nós fazemos.  A expressão mais comum com a qual se concorda ou discorda é: Uma vez salvo, salvo para sempre.

Confesso que, quando cheguei ao Seminário em 1974, também pensava na possível perda da salvação, caso não ficasse fiel até o fim da vida. Com o tempo, mesmo com os estudos, ainda me fixava em alguns textos específicos e não na idéia geral sobre salvação. Fixava-me mais nos textos, e não na pessoa de Jesus e sua divindade e eternidade. As promessas claras que também estão em alguns textos sobre a salvação eterna, que podem ser ignorados pelos que crêem de forma diferente. Portanto, se nos apegarmos a alguns textos isoladamente, cada um terá textos suficientes para apoiar a sua idéia sobre salvação. Alguns podem até ser usados fora do contexto.

Para evitar uma discussão que não levará a lugar nenhum precisamos da teologia. Há, porém, muitas pessoas que acham que quando se fala em teologia, só vai ser dito coisa difícil. Não, a teologia está aí exatamente para esclarecer as idéias da Bíblia e colocar os princípios que devem nortear o nosso pensamento e assim também a nossa fé.

Cada crente tem uma teologia. Cada crente crê em algo. De acordo com essa fé ele dirige as suas atitudes. Ele vive de acordo com o que crê. Então depende do que ele aprendeu, na igreja, na escola bíblica, nos congressos, nos cultos familiares, nos grupos ou células, na leitura da Bíblia. Podemos e devemos incluir: nas músicas que ouve ou em casa ou pelo rádio, ou na televisão; nas mensagens que ouve pelo rádio, ou na televisão. Tudo isso é formador da teologia do crente. Pois vai depender o que ele toma para a sua vida de tudo que ele ouve. E o que ele toma para a sua vida é a sua teologia. A respeito de Deus, de Jesus, do Espírito Santo, da salvação, do pecado, da santificação, e outros assuntos ensinados na Bíblia. Por isso é importante que o membro da igreja batista não ouça tudo o que se passa por aí, pois será para ele difícil diferenciar o certo do errado. Mesmo que saibamos que a igreja é responsável pela educação teológica de seus membros, nem todos os membros freqüentam os cultos. Nem todos freqüentam a Escola Bíblica Dominical. Nem todos têm interesse em saber se o que crê é aceitável ou não. E não saberá se não estudar.

Esta é a questão. Certa vez um líder de uma igreja, em virtude de uma enfermidade, por alguns domingos precisou ficar em casa. Conversando, ele me disse que ouvia as mensagens do pastor Miguel Ângelo da Igreja Cristo Vive, pela televisão. E eu perguntei o que ele achava. Ele disse que eram mensagens boas. Então pude explicar-lhe, que esta igreja ensina a predestinação. O que é predestinação? É a doutrina onde se ensina que é Deus quem escolhe quem vai aceitar Jesus e ser salvo, e é também Deus quem escolhe quem vai para o inferno. Ele não havia percebido isso nas mensagens, mesmo sendo líder dedicado na igreja. Cuidado! Romanos 14:22b “Bem-aventurado aquele que não se condena a si mesmo naquilo que aprova.”

2. PRINCÍPIOS TEOLÓGICOS

Efésios 2:8-10

Há dois princípios que norteiam a questão do estudo sobre a salvação. Estes dois princípios estão presentes em Efésios 2:8-9 “Porque pela graça sois salvos, por meio da fé; e isto não vem de vós; é dom de Deus./ Não vem das obras, para que ninguém se glorie.”

O primeiro princípio é: A salvação é por meio da fé.

O segundo princípio é: A salvação não é por meio das obras.

A palavra graça, neste texto, é a ação divina em favor dos homens, mostrando que da parte de Deus a salvação não tem custo algum.

O que se pede do homem para ser salvo é a fé em Jesus Cristo como salvador. Não há outra exigência para que a pessoa permaneça salva. Estas outras exigências é que fazem com que seja semeada a dúvida no coração das pessoas a respeito da salvação eterna. E é neste ponto que entra o segundo princípio: Não há salvação por meio das obras. Se qualquer obra, por “maior” que seja a nossos olhos, acrescentasse qualquer peso para que a salvação se tornasse concreta, já não seríamos salvos pela fé. É como se uma atitude humana tornasse desnecessária a obra de Cristo na cruz. Da mesma forma, se uma obra, acrescentasse um peso na salvação de alguém, ele teria motivo para se gloriar, “para que ninguém se glorie.” V.9b. Assim esta pessoa já não seria salva pela graça de Deus, tornando inútil a graça divina, mas pela dívida que Deus teria para com ele. Romanos 4:4 “Ora àquele que faz qualquer obra não lhe é imputado o galardão segundo a graça, mas segundo a dívida.” O homem não pode fazer nada pela sua salvação. Este é outro princípio teológico. Aliás, praticamente todos os crentes em Jesus Cristo conhecem este princípio.

Tito 3:5-8

Da mesma forma na Carta a Tito 3:5-8 estão presentes os mesmos princípios. Não descritos tão objetivamente quanto em Efésios, mas tem o mesmo peso e a mesma conseqüência. Vejamos:

Ele começa pela negativa do valor das obras: “Não pelas obras de justiça que houvéssemos feito…” Tito 3:5a. Este é o segundo princípio citado em Efésios.

Depois, em detalhes descreve o primeiro princípio apresentado em Efésios: “… Mas segundo a sua misericórdia, nos salvou pela lavagem da regeneração e da renovação do Espírito Santo,/Que abundantemente ele derramou sobre nós por Jesus Cristo nosso Salvador;/Para que, sendo justificados pela sua graça, sejamos feitos herdeiros segundo a esperança da vida eterna.” Tito 3:5b-7.

Neste texto a Bíblia também exclui qualquer possibilidade de salvação pelas obras, e acrescenta: “de justiça”. Isto é, nenhuma obra humana pode ajudar ou favorecer a salvação recebida.

O segundo princípio é descrito com várias palavras: “nos salvou”, “Jesus Cristo nosso Salvador”, “justificados pela sua graça”, “vida eterna”. Aqui não aparece a palavra fé, nem crer. Mas aparece no versículo 8. “… Para que os que crêem em Deus…”. Mas aqui já está falando das obras que são fruto da vida de uma pessoa que crê em Jesus Cristo.

Neste texto entram duas palavras diferentes que não são citados em Efésios: justificados e vida eterna. Na justificação há o perdão da dívida do pecado. O que crê é declarado sem culpa, inocente, sem pecado. Já a palavra vida eterna, é questionada todas as vezes que se põe em dúvida a salvação do crente. Como se Deus fosse mentiroso. Quanto tempo dura a vida eterna? Pois é a vida eterna que Deus dá, de graça, para todo aquele que crê em Jesus Cristo como seu Salvador. João 3:16 “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” Quanto tempo dura a vida eterna? Ou seria Deus mentiroso para não cumprir com as suas promessas? João 6:24 “Na verdade, na verdade vos digo que quem ouve a minha palavra, e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna, e não entrará em condenação, mas passou da morte para a vida.” O verbo ter está no presente. Isto é, a partir do momento da fé, o crente tem a vida eterna. Da mesma forma esta palavra é reforçada com a negativa da condenação, e a declaração da mudança radical na sua vida: passou da morte para a vida. Nem mesmo Satanás pode tirar esta graça de Deus sobre aquele que crê.

3. OBRAS.

Esta é a questão que aflige a muitas pessoas. Tanto em Efésios quanto aqui em Tito, as obras não são deixadas de fora. Efésios 2:10 “Porque somos feitura sua, criados em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos nelas.” Tito 3:8 “Fiel é a palavra, e isto quero que deveras afirmes, para que os que crêem em Deus procurem aplicar-se às boas obras; estas coisas são boas e proveitosas aos homens.” Não, o crente não deve ficar passivo. A fé tem as suas conseqüências naturais. Naturais de uma vida nova. Uma vida do fruto do Espírito: Gálatas 5:22 “Mas o fruto do Espírito é: amor, gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão, temperança.”

4. PECADO.

O problema é que todas as pessoas que crêem em Jesus Cristo são humanas. Falhas, pecadoras, desobedientes, alguns em maior grau, outras em menor grau. Algumas se arrependem imediatamente, outras não. E há muitas exortações na Bíblia para a busca da santificação. A santificação é conseguida pela leitura da palavra de Deus e pela oração. Pela dedicação a Deus. Pela busca do conhecimento do Senhor Jesus Cristo. O crescimento de cada crente é diferente. Eu não posso exigir que o outro cresça como eu. Talvez ele esteja até mais maduro que eu, e a minha visão limitada não pode perceber isso, porque sou humano. Devo olhar para mim com o mesmo olhar que o apóstolo Paulo olhou para si: I Timóteo 1:15-16a. “Esta é uma palavra fiel, e digna de toda aceitação, que Cristo Jesus veio ao mundo, para salvar os pecadores, dos quais eu sou principal./ Mas por isso alcancei misericórdia, para que em mim que sou o principal…” Da mesma forma que Jesus ensinou em Mateus 7:3-5 “E porque reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu olho?” Eu serei sempre o principal dentre os pecadores, porque assumi o compromisso com o meu Senhor de não pecar mais, e não cumpro com este compromisso. Não posso olhar os meus irmãos de cima para baixo, devo reconhecer a minha situação e compreender o meu irmão na fé como ele de fato é: humano, fraco, alguém por quem Cristo deu a sua vida na cruz, redimindo-o. Se ele não conseguir ser vitorioso, devo orar por ele. Ajudá-lo. Mas jamais condená-lo. Aliás, isto crente nenhum deve fazer, porque sabe que ele mesmo é devedor da graça e misericórdias do nosso Deus.

5. JULGAMENTO.

João 3:18 “Quem crê nele não é condenado; mas quem não crê já está condenado; porquanto não crê no nome do Unigênito Filho de Deus.” Esta é a diferença que há entre o salvo e o não salvo. Mesmo havendo outros textos que falam sobre a salvação, nenhum deles exige mais que a fé. Em I Coríntios 3:11-15, nós temos esta mesma afirmação com mais detalhes. Primeiro afirma que “o fundamento já está posto o qual é Jesus Cristo.” Depois disto fala somente de pessoas que tem este fundamento e que vão construir sua vida de obras em cima dele. Os diferentes materiais usados nas construções, e que estes materiais seriam provados pelo fogo. Alguns materiais se queimariam, e outros não. Mas todos que tem este fundamento seriam salvos, em virtude do fundamento, e não em virtude dos materiais usados na construção. Termina dizendo: “Se a obra de alguém se queimar sofrerá detrimento; mas o tal será salvo, todavia como pelo fogo.”v.15. Esta mesma afirmação é feita em I Coríntios 5:5 “Seja entregue a Satanás para a destruição da carne, para que o espírito seja salvo no dia do Senhor Jesus.”

Todos os que aceitaram Jesus passarão por um julgamento de acordo com II Coríntios 5:10 “Porque todos devemos comparecer ante o tribunal de Cristo, para que cada um receba segundo o que tiver feito por meio do corpo, ou bem, ou mal.” O que não interfere na salvação, porque fala das obras.

Quem não crer ou não tiver o fundamento que é Cristo, se condenou. Não aproveitou a oportunidade que Deus deu através de seu Filho. Não aproveitou a demonstração do amor de Deus em dar o seu Filho para a salvação dos pecadores. Não aproveitou a redenção conquistada na cruz por Jesus Cristo. Não aproveitou o alto preço pago por Jesus Cristo, derramando o seu sangue para poder perdoar os pecadores.

6. ESCALA DE VALORES.

Já encontrei pessoas que haviam aceitado Jesus e que tinham uma certa inveja dos incrédulos. Sobre o que os incrédulos podiam fazer e o crente não podia. Claro que tudo vai depender do valor que eu dou para as coisas da vida. Falando uma vez a adolescentes, perguntei: O que vale mais: ser fiel a Deus, ou pular a catraca do ônibus para não pagar passagem? E é exatamente assim que cada filho de Deus fica, diante das oportunidades de levar vantagem neste mundo, ou ser fiel a Deus. Todos os crentes sabem que Deus abençoa os seus. Os salvos. A questão é o quanto a minha fé me ajuda a depender Dele. É sempre uma questão de fé. Depender de Deus, ou tentar dar o seu próprio jeito, como fez Abraão, tentando fazer cumprir a promessa de Deus através da escrava, tendo um filho com ela. Gênesis 16. O que não invalidou a promessa que Deus havia feito. Alguns redimidos, ou por falta de ensino na igreja, ou por uma escala de valores errada por parte da denominação, ou da igreja, ou do pastor, acabam sendo escravizados pela liderança em nome da autoridade, que na verdade Deus não lhes deu, e assim confundem as pessoas com regras, normas e doutrinas mal interpretadas e mal ensinadas. E assim alguns se decepcionam com o que é chamado de vida cristã. Onde está a vida abundante que Cristo prometeu? Onde está o Cristo que liberta?

Como um crente que vive uma situação assim, que é o retrato do século 21, pode ter certeza da salvação? Algumas denominações pregam que é Deus quem escolhe quem vai ser salvo, e que ele próprio não pode interferir nisso. Outras denominações pregam que se o crente pecar, afastando-se da igreja, ou do evangelho, perde a salvação. Como se a salvação dependesse dele e não de Deus. Outras denominações, que nem sei se pregam a salvação, dão valor unicamente a manifestações “espirituais” ou sobrenaturais. I João 4:1 “Amados, não creiais a todo espírito, mas provai se os espíritos são de Deus; porque já muitos falsos profetas se têm levantado no mundo.” E onde precisa haver estas manifestações em todas as reuniões, caso contrário Deus não agiu. (Note que falei em reuniões, não em culto.) Falando com uma irmã de outra denominação, ela me disse que acreditava no que o pastor dela pregava. Quase todos são assim. Não são como os bereanos: Atos 17:11 “Ora estes foram mais nobres do que os que estavam em Tessalônica, porque de bom grado receberam a palavra, examinando cada dia nas Escrituras se estas coisas eram assim.” Aquele, pois, que tiver certeza no Deus que crê, tendo o testemunho da Palavra como suporte; sabendo da presença constante do Pai; do interesse imenso pelo seu bem-estar; do interesse pelo seu sustento; do cuidado da sua família; e que ele depende inteiramente das ações de Deus na sua vida, certamente terá uma escala de valores que se coaduna com os princípios bíblicos, sem precisar ter inveja de ninguém deste mundo, por mais sucesso que ele faça, ou por mais rico que ele seja. Este poderá dizer como Abraão em Gênesis 14:23b “Levantei minha mão ao Senhor, o Deus Altíssimo, o Possuidor dos céus, e da terra,…” Além Dele não preciso de mais nada. Ele me ama. Porque Ele sabe exatamente o que eu preciso e isso Ele me dará.

Um pequeno testemunho. Desde que eu me conheci, tornando-me consciente de quem eu era, me descobri gago. Desde criança. Sentia muita vergonha por isso. Depois de crescer, ter o encontro com Deus quis que Ele me curasse. Mas Ele não o fez. Continuei gago, muito gago. Depois de ter terminado o Curso de Teologia, a minha gagueira se desfez. Hoje posso agradecer a Deus pela gagueira, porque foi assim que Ele me protegeu dos maus caminhos, ou até de caminhos que numa sociedade são normais, como profissão de sucesso. Fui protegido para poder servir ao Senhor. Hoje estou com câncer, e sei que é conseqüência de problemas emocionais. Mesmo assim Deus está usando esta situação para que possa servi-lo, talvez até melhor, do que se estivesse pastoreando uma igreja. Pois foi pelo câncer que cheguei à internet e ao blog, que tenho o prazer de alimentar com mensagens que glorificam a Deus. Claro que já pedi a cura do câncer. E com muito fervor. Mas até aqui Deus, meu Pai, amoroso, fiel, não quis me atender. Sempre peço oração para que tenha forças para prosseguir. Sou humano. Mas sou um crente feliz. Muito feliz. Não preciso de milagres, sinais ou maravilhas. Não preciso falar língua estranha. Com o Deus em quem confio, sua presença e direção me bastam.

 

7. CONCLUSÃO

Quem é o meu Deus? Quem é o Deus da Bíblia? Um cumpridor de promessas. Um Deus que ama. Como posso pensar que diante deste Deus santo, alguém que negou a vida de fé agindo de uma forma que um crente não agiria, pode ser salvo? Onde está a justiça de Deus? Podemos ter a inabalável certeza de que Deus providenciaria uma solução para esta questão e foi por isso que Jesus precisou morrer na cruz. Para cumprir a justiça divina. E Deus jamais cobraria pelo preço do pecado duas vezes. Romanos 6:23 diz: “O salário do pecado é a morte…” Pois Jesus morreu por nós pagando a nossa dívida. A nossa culpa. E se pecarmos? I João 2:1b: “E se alguém pecar, temos um advogado para com o Pai, Jesus Cristo, o justo.” Que provará que o pecado já havia sido pago na cruz do Calvário. É impossível que uma salvação dada por Deus deixe de ter valor eterno. Deus é eterno, e não pode dar uma salvação diferente. Uma ação humana, da mesma forma que não pode conseguir a salvação, também não pode desfazê-la. Pois é um presente (graça) divino, e este presente, na pessoa de Jesus, é para sempre. Nasceu, morreu e ressuscitou. Alcançou a vitória sobre o pecado e a morte. I Coríntios 15:55. E isto não tem volta. Nem individualmente.

Depois de reconhecer que “Deus encerrou a todos debaixo da desobediência, para com todos usar de misericórdia.” Romanos 11:32, o apóstolo Paulo só pode cantar de alegria: “Ó profundidade das riquezas, tanto da sabedoria, como da ciência de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis os seus caminhos!/ Porque quem entendeu o intento do Senhor? Ou quem foi seu conselheiro?/ Ou quem lhe deu primeiro a ele, para que lhe seja recompensado?/ Porque dele e por ele, e para ele, são todas as coisas; glória pois a ele eternamente. Amém.” Romanos 11:33-36.

Pr.HWRosin.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: