A PRECE DE ANDRÉ(poesia)

A PRECE DE ANDRÉ

Autora: Myrtes Mathias

Primeiro foi a ovelha no deserto

Depois a moeda perdida no lar;

depois ainda (amor que não cansa!)

o ingrato que exigira a herança

do pai que sofre, para dissipar.

Através do tempo e do espaço

És Aquele que procura e chama:

para que o cego contemplasse o Amor

buscando a jóia de maior valor

mergulhaste a própria mão na lama.

Ao pé do poço, falaste à pecadora,

escreveste na areia pra não condenar;

comeste com párias, tocaste em doentes;

num sublime exemplo para os crentes

morreste, Eterno, por demais amar.

Bendito amor, sem nome e sem medida,

buscando e salvando até hoje aqui!

quando passar o tempo da oportunidade

eu irei contigo para a Eternidade

E meu irmão que nunca ouviu de Ti?

Bendito Amor, escuta minha prece,

esta que vem depois da salvação:

agora que conheço o céu,

tal como André, quando Te conheceu

quer trazer a Ti o meu irmão.

Der Jugenfreund Julho/agosto, 1968, p.2.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: